quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

A evolução continua...Parte II

Como as pessoas mudam, né?

E como isso é bom. Revigora. Fortalece. E é isso o que, no geral, as pessoas esperam sempre.

Em busca da beleza, eis-me aqui para mostrar que a evolução continua. Ainda chego a Brad Pitt ; )

2004: NERD



2005/01: Estilo


2005/02: Cabeleira



2006/01: Malhando com piercing na orelha


2006/02: Topete


2007/01: Careca


2007/02: Malhando com topete


2008/01: Estilo "Night"


2008/02: Me "Formalizando"



Life goes on ;)

domingo, 28 de dezembro de 2008

Competências para 2009

Fiz uma reflexão sobre competências que serão exigidas em 2009, tendo em vista os desafios(cenário) e experiências que escolhi ter.


*As típicas*

Visão estratégica
- Análise de cenários
- Construção de uma visão: perspectiva de futuro e legado
- Identificação de gaps

Liderança
- Planning
- Tracking
- Coaching
- Reviewing
- Desenvolver pessoas: fortalecê-las!
- Inspirar por meio de uma visão compartilhada
- Comprometimento com resultados

Gestão de conflitos

Visão de mercado & Networking



*As particulares*


Ser easygoing
- Ser flexível: opiniões pessoais não são as melhores. Estar pronto para deixar a opinião própria de lado sempre que necessário. Para isso, estar atento aos sinais: processos de decisão em time, negociação, observar antes de concluir, analisar sempre, construir em equipe.
- Não julgar
- Dar espaço às pessoas para elas serem e mostrarem quem são
- Simplificar
- Aproveitar a vida, as experiências. Ser feliz.

Estar presente
- Gerar conexão com pessoas e experiências
- Pessoas: confiar, compartilhar e cooperar.
- Experiências: as escolhas foram feitas! O ano de 2009 é "moldado" dentro dessas escolhas. O desafio é viver cada experiência (escolha)intensamente.

Aprender sempre
- Não perder uma única oportunidade para aprender. Aprender sempre.

Criatividade e Inovação
- Cada ano exige capacidade de gerar mudança, mas não gerar mudança por mudar. As pessoas mudam, trazem novos desafios que se unem às metas previamente traçadas. Além disso, o contexto externo muda. Inovar é aceitar que essas mudanças acontecem, que os "modelos" atuais apenas representam uma forma de "explicar" a realidade (não sendo absoluto) e indagar se é possível fazer melhor?
- Como criar uma cultura que fomente esse processo de inovação e dê base às inovações propostas?

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

The paths of sustainability

Being part of an international organisation since I entered university has challenged my personal and professional perspectives for so many times.

The challenges brought me questions and one good way I found to answer those questions was based on looking at others' experiences!

My personal interest on sustainability grew despite of my university course (environmental engineering). When I started to deliver results inside AIESEC, I noticed those results brought me personal development and showed myself that we are capable of impacting things that are relevant for society.

By marriage, some issues of my personal interest started to come up:

- People development
- Consulting, developing, coaching
- Management in the 3º sector
- Cooperation between companies and NGOs
- Sustainability in companies
- Corporate Social responsibility
- Social Entrepreneurship


Sharing experiences is a good source of making things more comfortable and gaining confidence. Today I was taking a look at the blog of a person who I admire for its personal continuous search for self discovery and development.

And guess what?

I found we have lots of professional and personal doubts in common! That's why I share a bit of his thoughts on this post (promesing I'll tell him about it =P). His name is Henrique Vedana, he was president of AIESEC in Brazil some years ago.

"(...)Esses últimos meses foram muito bons, posso claramente chamar esse período de "Planejando o Futuro". Várias dúvidas, perguntas, expectativas, afinal não voltaria a carreira de programador nem a pau, mas quem iria contratar um cara para trabalhar com algo que não existe (sustentabilidade), formado em Computação e com experiência "profissional" numa organização estudantil chamada "AIESEC"??? Pois nessa hora é preciso auto-confiança, bons amigos, contatos e conselhos..."


"(...)Em julho voltei pra Porto Alegre. Alguma coisa podia pintar a qualquer hora. Proposta para tocar projetos sociais fantásticos em Floripa (na Ilha da Magia), quase-entrevista às 22:30h para trabalhar com Relações Corporativas defendendo o Planeta Terra (afinal Pequim está 11 horas a frente do Brasil) e 3 entrevistas com o banco Holandês."



"(...)As random as life can be...When I arrived in Amsterdam and started to get involved with sustainability reporting, I ended up investigating more about GRI (Global Reporting Initiative) and I found out they are based in Amsterdam. “Nice place to work when my internship is over” - I thought - “and it’s on Keizersgracht, by the downtown canals!'"


"I understood much better the role of international NGOs after being inside a multinational corporation."


"(...)Kaos Pilots: Where will I get money from? I'm working on it, but the answers didn't arrive yet. If you know the solution, write me, I need "only" €30,000 for the next 2,5 years!"

"GRI Global Conference on Sustainability and Transparency: The conference was an incredible experience and the team I worked with was something remarkable. Since my AIESEC time I didn’t feel so excited and committed in a team as during those 6 months preparing for the event. The event itself was a surreal experience for me, being in close contact with over 120 key influential people in the world of sustainability reporting, from business, civil society, academia and governments."

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Ponte Rio - SP

Cheguei ao fim de uma jornada de 11 dias: comendo mal, dormindo mal, me divertindo e aprendendo muito.


Depois de 16h de viagem, cheguei a SP em um domingo de manhã. Em plena Avenida Paulista, rumo a casa do Lúcio (meu host). O Lúcio é um cara muito gente boa. Na FGV, onde ele estuda, o pessoal da AIESEC o apelidou de VP integração (ou seja diretor de "integração") em referência à centena de pessoas que ele já recebeu na casa dele desde que entrou na AIESEC.


Passei 2 dias em SP, entre uma visita ao Museu da Lingua Portuguesa e saídas à noite com o pessoal da Goiânia, Brasília e SP.

Museu da Lingua Portuguesa

AIESEC na FGV

Tomar café na paulista com a Triinu, ex-trainee estoniana da AIESEC, que atualmente trabalha com sustentabilidade na Natura, foi um momento a parte. Conversamos sobre carreira, sustentabilidade e sobre a teoria U, escrita por Peter Senge e Otto Scharmer.


Pela teoria, o processo de construção do futuro passa pela capacidade individual de 'presenciar' a atualidade e por um forte processo de autoconhecimento.

A conferência foi particularmente especial pela interação com um grupo de pessoas de mais de 30 cidades diferentes (de Manaus a Porto Alegre). São os Presidentes da AIESEC em diversos comitês locais Brasil afora. São pessoas fantásticas que toparam o desafio de liderar a organização, desenvolver pessoas, coordenar parceiras,...cada um em sua trajetória individual de desenvolvimento de liderança e autoconhecimento.

CSN 2009

Em 7 dias, discutimos sobre motivação de voluntários, gestão de times e resultados, planejamento estratégico, impacto social, conexão em rede e sobre o papel de cada um na construção de sua própria carreira.


Compartilhando, aprendemos muito sobre liderança.


Ver 3 jovens apresentar planos de negócios para fundar a AIESEC em Manaus, Fortaleza e Franca foi a demonstração de uma capacidade empreendedora e, principalmente, de exposição ao se comprometerem com uma causa, cujos desafios vão levar a uma mudança pessoal intensa.

André, Presidente da AIESEC em Manaus

Para a AIESEC Vitória a conferência foi especial.



Ganhamos um prêmio da Philips por crescimento sustentável de receitas, um de nossos ex-membros foi homenageado no Alumni Hall of Fame e Srta Millovisk foi eleita Presidenta da AIESEC no Brasil!


De SP, direto para o Rio de Janeiro. Fui assstir ao show da Madonna com minha irmã.


50 anos de idade, uma superprodução, 70 mil pessoas e artistas globais. Apertado, cheio de vaidades e surpreendente. Assim foi o show.


Os fãs esperam: "Aparece Madonna!"

O fechamento de duas semanas intensas foi com uma volta no Rio. A pé. 3 horas e meia, andando.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Expectativas para a gestao de LCP:

- Gerar impacto: como gerar um maior numero de @experiences? Como conectar jovens de alto potencial com empresas, organizacoes? Esses jovens estao preparados para gerar um impacto positivo nessas organizacoes? Como garantir isso? Quais sao as inicitivas que vamos, como CL, empreender para que o impacto seja o maior possivel?

Cenario: membros querem se desenvolver e tem desejos e motivacoes diferentes. Qual o papel das liderancas?

Resposta rapida> gerar visao e comprometimento com o crescimento organizacional e alinhamento de membros com essa visao. Fortalecer membros para que eles sejam sinceros, auto-conscientes e capazes de direcionar a propria carreira.

De que forma?


* Parcerias com universidades
* Feiras de carreira
* oportunidades efetivas e com qualidade de lideranca
* Intercambios abertos
* Preparar e enviar pessoas ao exterior
* @Experience com qualidade em todos os estagios
* Parcerias com empresas juniores: fortalecimento da nossa marca e posicionamento no mercado
* Comunicar a @experience
* Fortalecer EB e EBzao

Ser profissional para garantir qualidade da @experience, olhar para fora e conectar a organizacao com outros CLs, empresas, organizacoes, universidades,...e formar lideres!

- Empreender: para se empreender, voce precisa ter clara nocao da mudanca e do impacto que vc quer gerar. Significa: o quanto voce e capaz de pensar e implementar estrategias que gerem resultado? Essas estrategias suprem uma demanda que faz sentido para vc?

O sucesso da sua experiencia depende disso.

- Fortalecer pessoas:
para que os membros vao ser voluntarios em uma organizacao?

Nao pode ser por diversao ou para passar o tempo. (mesmo que inconscientemente =P) Elas querem liderar e se desenvolver como pessoas capazes de direcionar a propria carreira e impactar a sociedade de alguma forma (de maneira que faca sentido para elas).

Essas pessoas estao em processo de desenvolvimento, cometem erros, tem dificuldades para tomar decisoes, tem seus valores questionados, em muitos momentos nao sabem como se comportar. Faz parte da lideranca fortalecer essas pessoas.

E esse fortalecimento tem duas bases:


* O que a pessoa tem de forte: deve ser foco do lider! As pessoas precisam ser autoconfiantes para gerar impacto.

* O que as pessoas tem de fraco: nao deve ser foco do lider. O lider deve estimular a auto-reflexao para gerar autoconsciencia. As mudancas vem sempre de uma autopercepcao e da necessidade que o meio impoe. Ninguem muda para nada. Se o meio nao exige ou se a pessoa nao percebe, ela nao vai mudar. Focar no que e fraco gera instabilidade. Nao recomendo.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Reflexões da meia noite

00:50

Percebi recentemente o quanto eu tenho dormido tarde. Dias atropelando noites. Manhãs atropelando tardes.

Essa semana foi cheia de stress, senti muita falta das minhas aulas de yoga. Foram-se. Há mais de 1 ano. Foi a semana que realizamos a 1ª Mostra de Carreira da AIESEC, preenchemos uma candidatura para seleção de um prêmio da Philips, me propus a encontrar outros jovens - presidentes de empresas juniores, fora as aulas e provas acumuladas de fim de semestre.

E ainda foi meu aniversário.


Vagando pela internet, achei o blog de um cara que parou a universidade por 15 meses para juntar $$ e viajar pelo mundo. Ele resumiu em alguns verbos, reflexões que eu tenho feito há dias, meses,...

Viaje, ouse, seja justo, confie, sorria, simplifique, acredite.

É dificil dar conselho para si próprio. Estive pensando nessas práticas de mentoring, coaching pessoal...e no final tudo me parece tão óbvio. Os coaches te perguntam aquilo que você tem total capacidade de se perguntar. Mas será que não fica confuso?

Quem é você?

Quais são seus valores?

Qual seu desafio?

Aprendi esses dias que o processo de autoconhecimento é para vida toda. Quanto mais você cava, mais tem para cavar.

Fim de curso é dose. Reflexões a mil. Olha eu aqui pensando. Falta um ano para acabar minha universidade, mas já sinto o gosto do fim.


E Por que aqueles verbos me achamaram a atenção?

Viaje, ouse, seja justo, confie, sorria, simplifique, acredite.


Desafio é energia. E tem sido assim para um geração toda de jovens com 20 e poucos anos. Muita energia, pouco foco, querendo tudo.

Viajar, ousar e acreditar significam construir, ter força para empreender, para realizar, impactar. É uma vontade contínua de gerar mudança, resultado, ver as coisas acontecerem. Se descobrir.

Cuidar de si próprio e se preparar para o desafio inidivual que cada um deve criar. Não ter medo. As coisas vão mudar. A única certeza que temos é que seremos interrompidos. diz Fernando Pessoa.

Ser Justo e confiar
são valores. É ética. É gerar conexão com pessoas.


Se dispor a aprender com os outros. Quando fiz estágio no TAMAR, uma colega me deu um feedback daqueles que você não esquece, dizendo para eu não esperar reconhecimento nem criticas dos outros. Era para fazer, agir. Ir lá e contribuir com minha parte, tendo noção do que você é, independente do que os outros falem. É autoconfiança. E para ter boa autoconfança, é preciso ser justo.

Em resumo: bons amigos, autocofiança e respeito ao outro são valores para vida toda.

Sorrir e simplificar.

O cara da CST fez isso muito bem ontem. Ganhou atenção de toda a platéia no evento de carreira. E fechou seu discurso em alto e bom som:

"Não apodreçam cedo. Curtam a vida! Sejam felizes. Cuidem bem de vocês e se preparem para o desafio que vocês vão criar."

Simples assim.

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Refugees

If I had to pick up global issues that interests me the most, certainly the Refugees conditions would come in the Top 5.


Under the international law, refugees are individuals who:

* are outside their country of nationality or habitual residence;
* have a well-founded fear of persecution because of their race, religion, nationality, membership in a particular social group or political opinion; and
* are unable or unwilling to avail themselves of the protection of that country, or to return there, for fear of persecution.





They represent challenge, courage, a difficult scenario to overcome and a great human potential to transform reality. video

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Estou apaixonado!

Sabe aquelas relações que você vive de extrema confiança...
Que você divide momentos de alegria e tristeza...
Que te "suporta" em várias situações diferentes...
E que você admira sua orginalidade, autenticidade...

Estou apaixonado mesmo...

... pela minha mochila nova! =D


Andando o dia inteiro para cima e para baixo, percebi o quanto ela é importante.

E além dela, não pode faltar meu mp3, meu caderno de anotações e uma garrafinha d'água.

sábado, 1 de novembro de 2008

O que dá para fazer com sustentabilidade?

Falar em "carreira em sustentabilidade" se tornou comum para muitos jovens. Mas, afinal, que iniciativas essas pessoas estão levando? De que forma, na prática, é possível trabalhar com sustentabilidade?


Dando uma volta por alguns blogs de conhecidos e páginas da web...encontrei alguns exemplos de como trabalhar na prática com sustentabilidade!

Adam, um inglês radicado na China (http://adam.nomadlife.org/), trabalha em uma organização chamada Plan international (http://www.plan-international.org/), que coordena programas de educação, água e saneamento focados em crianças de 50 países diferentes.


Existem também muitas consultorias que dão suporte às estratégias de responsabilidade social e meio ambiente para empresas, como a Natural Logic (http://www.natlogic.com/). Elas oferecem tanto soluções em políticas do tipo "como engajar stakeholders?" até soluções de "como manter a produção mais limpa".

Natural Logic helps companies and communities make sustainability a source of innovation and profit.

O GRI - Global Reporting Initiative educa empresas sobre como realizar relatórios de balanço socio ambiental.(http://www.globalreporting.org/Home)


Já o BSR - Business for Social Responsibility (http://www.bsr.org/) trabalha com uma rede de 250 empresas em consultoria, pesquisa e coloboração entre-setores.


No setor privado, organizações como o BID - Banco interAmericano de Desenvolvimento (http://www.iadb.org/)atua com soluções em desenvolvimento, articulando empresas, ONGs e governos de 26 países na América Latina. Já o Standard Chartered Bank (http://www.standardchartered.com/)trabalha pelo desenvolvimento de negócios sustentáves na Ásia.


Existem também empresas grandes de diversos setores (bancos, indústrias, etc.) que já aplicam práticas de sustentabilidade ligadas ao seus negócios. Como Vale, ABN, Natura, Samarco, etc.


Além disso, existem Conselhos como o World Business Council for Sustainable Development (http://www.wbcsd.org/), uma plataforma virtual de compartilhamento de casos de sucesso entre empresas.


No 3º setor, existem muitas iniciativas. Organizações como a Ashoka (http://www.ashoka.org/) e a Artemisia(http://www.artemisia.org.br/) fortalecem empreendedores sociais.


Existem também muitos jovens que estão levando projetos, empreendendo ações que contrbuem para o desenvolvimento sustentável, como o trabalho de um ex-membro da AIESEC Australia para geração de renda e eliminação do trabalho infantil no Camboja (http://www.carpetsforcommunities.org/), o projeto de Alexander Piergilli na criação do Ecossistemas Design Ecológco, organização que trabalha com agricultura sustentável...

Alexander: produtos agroecológicos, ecoturismo e educação ambiental em SP.

ou de duas americanas que estabeleceram um portal (http://www.wokai.org/) para captar recursos e financiar micro-empreendedores na China.

Wokai: O que tem a ver sustentabilidade com empreendedorismo?

Casey e Courtney: 24 anos de idade e um projeto para reduzir a pobreza na China

No geral, percebo que para aproveitar "oportunidades com sustentabilidade", você precisa:

- Ter visão de mundo e pensar fora da sua realidade local
- Entender sobre cooperação entre governo, empresa e 3º setor

E, principalmente, estar pronto para (você mesmo) criar essas "oportunidades".

domingo, 19 de outubro de 2008

Há 3 anos, começando meu curso de engenharia na UFES, quando eu pensava no que faria em 2008, de uma coisa eu tinha certeza: estaria morando fora e com a faculdade trancada.

O intercâmbio ficou batendo na minha cabeça por muitos anos, ao mesmo tempo que eu ia aproveitando oportunidades de desenvolver liderança na AIESEC (www.aiesec.org.br)

mural: 4 anos de universidade e não-universidade =P

Para 2009, um ano que terminarei minha universidade, acabo de ser eleito Presidente da AIESEC em Vitória. O processo de decisão para me candidatar foi muito díficil. Minha graduação chegando, a vontade de fazer intercâmbio, pressão financeira,...foram coisas que pesavam e me faziam conversar, conversar e conversar...com Deus e o mundo! =P


Gerenciar 150 pessoas em 2009, fazer planejamento estratégico, direcionar uma organização para resultados comuns...e a falta de resposta para a pergunta: como tornar a AIESEC relevante para o ES? Isso tudo com 22 anos seria realmente um desafio de liderança e empreendedorismo.


O processo de eleição é muito intenso: discursos, debates, votos...e o clima que se cria no escritório gera uma pressão enorme nos candidatos.

video

Quando o balde d'água caiu na minha cabeça, percebi que um ano de muito aprendizado estava chegando...e desabei a chorar =P


A sensação que tive no momento era de alto comprometimento com a experiência de mais de 200 pessoas que passarão pela AIESEC em 2009.


Mas além disso, era a sensação de um comprometimento maior com a minha própria experiência, me senti dono da minha carreira.

3 gerações: 2007, 2008 e 2009.